Cuide-se
Desafiando obstáculos

Interagir com o ambiente urbano não é uma coisa fácil, pois a cidade nos desafia o tempo todo, carros, motos, bicicletas, transporte público e muita gente circulando. Na mesma cidade caótica cheia de barulho e concreto,  árvores se misturam a construções e obras de arte. Esse cenário instiga as pessoas e as convida a usar a criatividade.  Quem não se intimida são os praticantes de parkour, uma atividade pra lá de radical que está bombando até em vídeo da Madonna.

No Parkour as pessoas se desafiam o tempo todo, pulando de um lugar ao outro, se jogando e fazendo acrobacias nos espaços públicos. Mas a arte de superar obstáculos é bem mais antiga, foi criada na década de 80 em Lisses, na França.  Um grupo de amigos resolveu adaptar para a cidade e o urbanismo a disciplina militar conhecida como “parcours du combatent “ (percurso do combatente), um percurso de obstáculos desenvolvido por Georges Herbert e utilizado por soldados franceses para realizar resgates na Guerra do Vietnã. Reymond Belle praticou e repassou ao seu filho, David Belle, um dos ícones da atividade, ao lado de Sebastien Foucan. No Brasil conhecemos a modalidade apenas como Parkour.

O professor Akira começou a praticar parkour em 2004 no interior de São Paulo através de referências da web. Muito interessado no assunto, criou a primeira página de parkour no Brasil. Mais tarde, a página virou um blog, tornando-se o point virtual dos praticantes.

Em 2008, Akira abriu a empresa Parkour Brazil, introduzindo aulas em São Paulo. As aulas são sempre  realizadas em locais distintos da cidade, não têm nada de monótono. Cada vez o aluno interage mais com a cidade, experimentando um aspecto diferente. Para a prática, Akira recomenda locais como o Parque do Ibirapuera e o Anhangabaú.

Mas o professor recomenda, o parkour não deve ser feito sem supervisão. “Treinar sozinho nestes lugares sem uma equipe e sem um acompanhamento profissional pode ser arriscado.”, explica.

Entre seus benefícios o parkur melhora a autoestima, ajuda a superar medos, reduz a ansiedade, combate a depressão, aumenta a coordenação motora, promove sensação de bem-estar, melhora os sistemas respiratório, imunológico e cardiovascular, além de diminuir a glicose do sangue.

Para saber se você tem condições de praticar a atividade, deve fazer uma aula experimental. Quando o aluno demonstra controle e qualidade nos movimentos, pode começar um novo processo de treino com técnicas mais radicais e agressivas.

“O risco da pratica só aparece quando o aluno passa de um Parkour Saudável para um treinamento mais competitivo ou para acrobacias e movimentos mais radicais sem acompanhamento.”, ressalta o professor.

Akira avisa aos interessados que é necessário começar devagar, até ganhar forca e resistência para se tornar uma atividade benéfica para a sua saúde. Aos que não querem se arriscar, podem se contemplar com os vídeos disponíveis na internet. Eles são fora de série!

Fonte:

Leonard Akira Ribeiro

Diretor Geral da Parkour Brazil.

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

(+55 11) 98140-0942

lepartanos.com

parkourbrazil.com

 

 

 
Circo, muito além da magia

Arte, desafio e condicionamento físico

 O palhaço, o equilibrista, o domador, o engolidor de fogo são atrações conhecidas de muitas gerações pelo mundo todo. O circo nos remete a aquele grupo de artistas nômades viajando por cidades através do mundo! Eles chegam, montam a tenda e ficam por dias apresentando seus números aos diferentes públicos.

Hoje esse tipo de artista ainda tenta sobreviver, cada vez com mais dificuldades devido a ausência de locais preparados para os receberem: “Toda cidade deveria ter uma praça do Circo, no mínimo São Paulo e Rio de Janeiro que são as cidades com a maior concentração de artistas, mas nem isso. Só o que sabem fazer é pedir cada vez mais documentos e alvarás que emperram e corrompem o processo de instalação dos Circos nas diferentes praças e cidades.”, desabafa Kiko Caldas, professor de circo da Off Sampa.

Hoje o artista foi obrigado a se reinventar, apresentando onde o mundo o chama: “Um dia está em um Teatro no outro em uma praça, as vezes ocupando a cidade por entre os arranha céus. Não temos dia, nem hora, nem lugar.”, conta Kiko.

Mas além dessa apaixonada vida desses artistas, o circo também  é uma atividade de base formativa, divertida e muito saudável.

“Existem momentos de altíssima concentração e de risco, em que a diversão fica um pouco de lado e o frio na barriga toma conta da cena, mas para pessoas que adoram desafios o frio na barriga é diversão e superação, o desafio dentro do universo do Circo é constante e diário.”, conta Kiko.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 9 de 22

Indique !