A estética do sorriso e os mecanismos para a reprodução perfeita

A beleza simétrica é uma busca que ocorre há milênios, mesmo que os padrões tenham mudado ao longo dos séculos. A proporção áurea, a partir do século XVI, foi associada à beleza pelos renascentistas, que usaram o número de ouro para criar suas belas obras.

Trata-se de uma medida que foi descoberta pelos gregos para reproduzir figuras de medidas sempre parecidas, harmoniosas e agradáveis aos olhos. Pensando num retângulo, se dividirmos o lado maior pelo lado menor e o resultado for igual ao lado menor dividido pela diferença dos dois lados, teremos uma proporção de 1,618, que é associado à harmonia estética. Isso pode ser encontrado em toda a natureza como, por exemplo, em uma fruta, nas árvores, nas estrelas, nos peixes, etc. O número de ouro também foi reproduzido nas artes como na famosa Monalisa e na 5ª Sinfonia de Beethoven.

Esta mesma proporção também pode ser encontrada no corpo humano e no rosto, o que foi bem representado pelo gênio Leonardo da Vinci em sua famosa figura do Homem Vitruviano. Por exemplo: tome uma medida inicial como a distância entre os cantos dos seus olhos. Para saber se a face está agradável esteticamente, pegue o tamanho do nariz e divida por este número. Quanto mais próximo de 1,618, maior o equilíbrio estético. O mesmo pode ser aplicado para o tamanho das sobrancelhas, a distância entre o canto do olho e a maça do rosto, o lábio inferior, etc. Pensando em dentes, o mesmo princípio se aplica para sabermos o tamanho proporcional de cada dente e o quanto de gengiva deve aparecer no sorriso, tomando sempre um valor de referência inicial.

A capacidade individual de exibir o sorriso depende da qualidade e quantidade dos dentes e da gengiva, da relação dos dentes com os lábios durante o sorriso e da integração harmoniosa entre os componentes faciais.

É por isso que, ultimamente, tem-se utilizado nos consultórios odontológicos um arsenal de ferramentas de maneira integrada e conjunta.

O sistema Invisalign® é um tratamento confortável, previsível e praticamente invisível para endireitar os dentes de forma eficaz. No entanto, às vezes, endireitar dentes manchados, lascados e remendados não é suficiente para deixar o sorriso agradável.

A porcelana vem contribuir neste sentido pois ela é, sem dúvida, o material que apresenta os melhores resultados estéticos para uniformizar a superfície dos dentes reconstruindo formatos originais e deixando-os mais próximos da proporção áurea. Hoje é possível confeccionar facetas de até 0,2mm (daí o nome “lente”) extremamente resistentes, o que em tese, evita desgaste de uma estrutura tão preciosa como o dente.

A maior parte dos estudos mostra que durante o sorriso, o lábio superior deve posicionar-se ao nível da margem gengival dos incisivos centrais superiores para que seja estético e harmônico. O “botox” tem se mostrado, recentemente, uma alternativa segura e menos invasiva para tratamento de sorriso gengival, pois ele relaxa os músculos superiores labiais e diminui o aparecimento da gengiva. O preenchimento facial também auxilia muito nesta harmonização preenchendo sulcos, áreas que perdem volume conforme a idade avança e também rugas, para que não fiquem tão visíveis ou, até mesmo, desapareçam. O preenchimento em “rugas de marionete” e “bigode chinês” apresenta resultados incríveis e imediatos. Com uma agulha extra fina pode-se injetar o ácido hialurônico abaixo da derme, elevando as áreas flácidas e diminuindo as rugas, o que modifica também a proporção áurea para melhor.

Prof. Dr Ricardo Raitz (crosp 58714) é diretor da clínica de especialidades SORRISO DA GRANJA; Professor Titular da Universidade Municipal de São Caetano Sul e do Instituto de Pesquisa São Leopoldo Mandic, nos programas de mestrado e doutorado. Também leciona na Fundecto-USP. Contatos: ricardoraitz@sorrisodagranja.com.br - 4612-1721 (Granja Viana) - 3673-5270 (Vila Madalena).



 

Indique !