Mulheres Guerreiras no Mundo Corporativo Leia +




Fala-se muito em desigualdade salarial entre homens e mulheres. Dizem que as mulheres em geral recebem 30% a menos que os homens, no desempenho da mesma atividade e função e ainda por cima trabalhando uma carga horária maior.
Se isto fosse verdade, poderíamos concluir que para uma empresa, seria mais lucrativo compor o seu quadro de funcionárias em sua maioria e não funcionários, não é mesmo?
Deixando as polêmicas de lado e somente como ilustradora para o que gostaria de trazer para homenagear as mulheres neste mês em que comemoramos o dia internacional da mulher, creio que o sucesso para nós mulheres líderes do mundo corporativo está em adquirir o conhecimento para desempenhar a nossa função, a habilidade para lidar com pessoas, desenvolver processos e novas tecnologias e ainda ter atitude positiva, integradora e disciplinadora com foco na obtenção de resultados para a empresa através dos liderados.



Portanto o desenvolvimento das competências gerenciais é condição “Sine_qua_non” para garantir o seu emprego, ganhar os melhores salários ou para empregar-se.

As competências gerenciais são um conjunto de excelências que necessitamos desenvolver para criar musculatura na dinâmica corporativa, para apresentar um desempenho de alta performance na área gerenciada, como por exemplo:

Planejamento e organização – Grandes líderes planejam e constroem o futuro, enquanto líderes medíocres não planejam e chegam aos seus destinos. O planejamento permite estabelecer aonde a empresa quer e pode chegar e não chegar a algum lugar qualquer.

Foco em resultados – Estabelecer indicadores de desempenho que avaliarão se a companhia está dentro da rota estabelecida no seu plano estratégico.

Desenvolvimento de um plano de ação com metas e estratégias desenhadas para a obtenção dos resultados, para a execução junto com as equipes.

Confiança e delegação são os principais ingredientes para um líder manter a equipe alinhada e engajada, criando uma sinergia para trazer lucros para a empresa.

Disposição, capacidade e autodisciplina para ouvir, interpretar e entender as fortalezas e fraquezas das equipes, de forma a capitalizar todos os elementos para impulsionar os resultados para a empresa através das equipes.

Resiliência, manter-se eficaz em meio as mudanças, dentre muitas outras excelências que fazem com que as empresas prosperem, mesmo em mares revoltos.

Acreditar em si, praticar o autoconhecimento e fortalecer-se diariamente, gerando assim a capacidade de inspirar e motivar a equipe, porque mulheres guerreiras podem perder uma batalha, mas nunca perderão a Guerra.


Patrícia Atui, Economista pelo Univ. Mackenzie/SP, pós graduada em finanças pelo IPEP/SP e Coach Empresarial com certificação internacional pela Action Coach.


 

Indique !