5 dicas para não se enrolar com as dívidas de início de ano

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fonte: QueroQuitar

Ano novo, metas não tão novas assim… Já reparou que quase todas as listas de resoluções de ano novo são bem parecidas? As promessas campeãs são: ler mais, emagrecer, cuidar da saúde mental, viajar, juntar dinheiro e, claro, pagar as dívidas.

As boas novas de começo de ano, muitas vezes, podem virar dor de cabeça por conta das despesas que vêm com a virada. Os gastos com as festas e presentes de fim de ano somados às tradicionais contas de janeiro – impostos como IPTU, IPVA, licenciamento, mensalidade, matrícula e material escolar, despesas com saúde – exigem atenção às finanças pessoais. “O segredo é ter organização e planejamento, isso pode fazer toda a diferença neste momento”, conta o especialista em educação financeira, Marc Lahoud.

A seguir, confira algumas dicas valiosas para te ajudar a começar o ano mais tranquilo e com o pé direito.

Receita vs. Despesa 

O primeiro passo é saber quanto se ganha e quanto se gasta. Parece algo simples, mas, mais de 60% dos brasileiros gastam mais do que recebem, segundo o Índice de Saúde Financeira do Brasileiro (I-SFB). Conseguir visualizar com clareza quanto entrou e para onde vai o dinheiro, faz toda diferença.

“As pessoas normalmente pensam no valor bruto e se esquecem de contabilizar taxas, impostos, tarifas, juros, etc. A conta não fecha e a pessoa chega ao fim do mês sem saber o motivo”, comenta Lahoud. Faça as contas para saber qual é a sua renda líquida e qual é o valor de tudo que precisa ser pago, contando as despesas tradicionais de cada mês – luz, internet, água, aluguel, alimentação, entre outros -, as contas adicionais – os pequenos gastos do dia a dia, como: padaria, farmácia, pequenas compras no mercado, entre outros – e as contas adicionais do mês. A partir disso você terá um panorama geral de sua situação financeira e conseguirá se organizar, criando a melhor estratégia para pagar cada uma das despesas.

Estabeleça um plano para se desenrolar

Como resultado desta falta de planejamento, o I-SFB aponta que 46,2% dos brasileiros vivem com suas contas fixas atrasadas. “Sabe aquela expressão, ‘Vender o almoço para comprar o jantar’? Priorizar uma conta em detrimento de outra, é algo muito comum – e muitas vezes inevitável – na vida das pessoas. São esses atrasos que costumam fazer com que o orçamento saia do controle”, conta Lahoud. A boa notícia é que com planejamento é possível se desenrolar: Depois de mapear suas receitas e seus gastos, pesquise suas dívidas pendentes e simule cenários de negociação – desta forma, pode-se planejar como e quando pagar, buscando sempre as melhores condições.

Se possível, pague as dívidas à vista 

O pagamento à vista é uma boa maneira de conseguir um bom desconto nos pagamentos. O IPVA, por exemplo, tem um valor melhor quando pago em uma vez, conseguindo até 9% de desconto.

De qualquer forma, se o pagamento à vista comprometer o orçamento total, é melhor pagar parcelado.

Priorize as dívidas mais altas ou com juros mais altos 

É importante começar a pagar as dívidas mais altas ou que tenham juros maiores, como cartão de crédito ou cheque especial. “Se você acabou adquirindo parcelas e dívidas desse tipo, priorize pagá-las primeiro pois são as que têm os juros e taxas mais abusivas. Sempre evite entrar no cheque especial. Não caia no erro de pagar uma dívida à vista, para pegar o desconto, usando o cheque especial. Na maioria das vezes os juros do cheque especial são mais caros do que se pagar a dívida parcelada sem desconto”, comenta o especialista.

Comece a planejar o próximo fim de ano

Pode parecer cedo demais, mas não é. O primeiro e os últimos meses do ano já são conhecidos por serem mais caros por abrigarem os maiores gastos, então, por que não já começar a economizar para não ficar apertado novamente? Promova uma ampla redução de despesas, renegocie suas contas mensais e encontre outras fontes de renda. Com a vida financeira em ordem, é possível reservar uma quantia, nem que seja mínima, para isso. “São contas que já sabemos que teremos novamente, então o ideal é estar preparado para elas”, diz Lahoud. 

Mais notícias

Você viu tudo

Não há posts