Temporada de gripe à frente: entenda a importância da vitamina D para a imunidade

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Manter bons níveis de vitamina no organismo é essencial em qualquer época do ano. No outono e no inverno, estações em que é comum a aparição de doenças respiratórias, é importante redobrar a atenção com a vitamina D, grande responsável pela manutenção do sistema imunológico e que pode ser reduzida por conta da baixa exposição à luz solar, sua principal fonte de reposição.

Roberta Thawana, nutricionista da Polaris Healthcare, aponta para alguns dos riscos de baixos níveis de vitaminas no organismo. “A deficiência de vitamina D está relacionada à pior resposta do sistema imunológico. Tivemos estudos correlacionando essa deficiência a um maior risco de complicações na COVID-19, por exemplo. Sua baixa presença pode causar maior predisposição para osteopenia e osteoporose, piora do quadro de doenças autoimunes, além de desequilíbrios hormonais, fadiga e falta de energia. Níveis baixos da vitamina também podem interferir na eficácia da leptina, um dos hormônios que causam a sensação de saciedade, então temos uma relação para emagrecimento também”, explica.

Apesar de conhecida como a vitamina do sol, ela pode ser adquirida por reposição suplementar e alimentos, como explica a nutricionista. “Além da exposição ao sol, por pelo menos 15 minutos por dia, entre 10h e 14h, preferencialmente, sem protetor solar, a reposição também pode ser feita por alimentos como atum, salmão, shitake e óleo de fígado de bacalhau”, destaca.

Apesar de ser encontrada em alimentos, a nutricionista aponta que a suplementação é uma ótima opção para essa reposição. “Prescritos de acordo com a necessidade de cada indivíduo, os suplementos agem como complemento aos bons hábitos alimentares e ajudam a nivelar os índices ideais de cada organismo. Vale lembrar que todos precisamos nos atentar aos níveis de todas as vitaminas que nosso organismo necessita para funcionar de forma saudável. Alguns indivíduos têm polimorfismos genéticos que dificultam a síntese ou o transporte da vitamina D, portanto quem tem alguma alteração deve acompanhar ainda mais de perto os parâmetros sanguíneos”, aponta.

Não só neste, mas em todos os casos, é necessária a atenção à dosagem. A ingestão de altos valores da vitamina pode levar a toxicidade e sobrecarga renal e hepática. Manter os exames em dia e procurar um profissional especializado é a melhor forma de garantir um bom funcionamento do organismo.

Fonte: Polaris

Mais notícias

Você viu tudo

Não há posts