Kangatraining: mães e bebês em movimento pós-parto

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Kangatraining é um treino que beneficia o corpo inteiro, em especial o assoalho pélvico pós-parto, no qual a mãe realiza os exercícios com o bebê preso ao corpo. O exercício é projetado para atender às necessidades das novas mães.

O assoalho pélvico é um conjunto de músculos presos à base da coluna vertebral, nas costas e no osso púbico. Esses músculos agem como uma rede, sustentando o intestino, o útero e a bexiga. Se você precisar usar o banheiro, se levantar ou levantar um objeto pesado, seus músculos deverão contrair para manter tudo no lugar.

Eles também formam a base do core – o grupo de músculos que vão da pelve até o diafragma e são responsáveis pela estabilidade durante os movimentos. É válido dizer que, durante toda a aula, as canções vão rolando e os movimentos se tornam coreografias.

Especialmente do parto, o assoalho pélvico pode ser lesionado.

O tipo mais comum de lesão é quando uma parte do assoalho solta do anel pélvico, exatamente como se uma das amarras da cama elástica tivesse se soltado do anel de ferro que mantém a cama esticada. Porém, como qualquer tecido rompido, o assoalho pélvico também pode ser consertado.

O Kangatraining é indicado para mamães e bebês a partir da 6ª semana após o parto (para parto normal) e a partir da 10ª semana para parto cesárea

Normalmente, quando as mulheres se tornam mães, querem e precisam fazer atividades que ajudem a se sentir melhor como mulheres, tanto física quanto emocionalmente. Mas, muitas vezes não encontram o momento certo para fazê-lo, pois não podem e não querem deixar os bebês de lado. “Por esta razão, esta rotina de treino incorpora os bebês. Mães e filhos podem estar sempre próximos e curtir a aula de forma tranquila e segura”, explica a treinadora Cinthya Lepin.

Em Cotia, abriu as portas o Kangatraining Brasil, pioneiro na modalidade – criada na Áustria – no país.

Além disso, oferece todos os equipamentos necessários para a aula, inclusive a mochila ergonômica para o bebê.

“A ginástica de baixo impacto é especializada na recuperação da diástase abdominal e no cuidado e fortalecimento do assoalho pélvico”, conta Cinthya Lepin. As mamães podem começar às 6 semanas (se teve um parto normal) ou às 10 semanas (se teve cesariana), sempre com liberação médica para fazer esportes.

O Kangatraining se tornou o programa de condicionamento físico mais difundido para jovens mães e, hoje, existem Kangatrainers licenciados em mais de 20 países.

Cinthya com suas alunas durante a aula

Muitos benefícios podem ser sentidos pelas mulheres ao exercitar o assoalho pélvico: ajuda a controlar a incontinência urinária e deixa o sexo mais prazeroso.

Depoimento de uma aluna

“Conheci a Cinthya em um parque passeando com a Pietra, minha bebê que tinha 11 meses na época. Ela me falou do Kanga e, na hora, já adorei. Meu maior desafio neste momento materno e de pandemia era ficar sem me exercitar.
Com o kanga consegui resolver duas situações: voltar a fazer exercícios sem deixar minha pequena e ainda me divertir com ela. Fiquei com muita dúvida se conseguiria pelo tamanho e peso dela na época (78cm e 10kg). Deu certo!
As orientações da Cinthya sobre a mochila e ajustes antes das aulas são essenciais para um bom treino. Hoje, Pietra está com 1 ano e 2 meses, 82cm e 12,8kg e continuaremos grudadas enquanto meu corpo aguentar. Passa tão rápido que quero aproveitar tudo até quando der. (Alana, aluna de Kangatraining da Cinthya)

“Esta rotina de treino incorpora os bebês. Mães e filhos podem estar sempre próximos e curtir a aula de forma tranquila e segura”, conta Cinthya Lepin.

A professora de Kangatraining, Cinthia Lepin, com a sua bebê; momento de exercício e conexão

Serviço

Kangatraining Class Start
Horários: aulas todas as terças, das 10:00 às 11:00
Local: Estrada Municipal Walter Steurer, nº 1239, Cotia – na Escola Projeto Âncora

Mais notícias

Você viu tudo

Não há posts