Gastronomia
Lámen: à moda da casa


 

Conheça o macarrão que deixou de ser instantâneo para ganhar uma roupagem gourmet e moderna

 

 

Foi-se o tempo que lámen era sinônimo de macarrão instantâneo que ficava pronto em três minutos. Hoje, o macarrão de origem chinesa ganhou o coração e a mesa dos brasileiros, em versão gourmet, com diversos restaurantes especializados e receitas de dar água na boca!

 

Mas qual a sua história?

Originário da China, o lámem ficou famoso mesmo no Japão antes de se espalhar pelo mundo. A Japonesa Nissin encarregou-se disso e difundiu o lámen como uma espécie de fast food. Afinal, quem nunca preparou o famoso “miojo” para uma refeição rápida?

E a proposta é essa mesma. Diferente do sushi e do tempurá, que são pratos mais sofisticados da culinária oriental, o lámen é a faceta popular da gastronomia. O prato é composto pelo protagonista, claro, que é um macarrão à base de farinha de trigo, sal e kansui – uma água alcalina rica em Carbonato de Potássio e Bicarbonato de Sódio, muito comum em algumas regiões japonesas e a responsável pela elasticidade típica da massa. Somado ao macarrão, há o caldo, que pode ser à base de peixe ou de porco, além de legumes, cogumelos, temperos com soja e muita criatividade.

Servido em cerca de 24 mil estabelecimentos do país do sol nascente, o lámen (ou rámen, já que japoneses não pronunciam o L) gera discussões acaloradas sobre qual o melhor caldo ou qual chef prepara o melhor prato. Cada restaurante de lámen tem suas peculiaridades, com variações nos ingredientes para o preparo do caldo, no método de preparação do molho e na espessura do macarrão.

 

A tradição

Já está com água na boca para comer um lámen? Pois saiba que, assim como tudo na cultura oriental, tem uma maneira correta e um ritual todo especial para apreciar o prato. Especialistas e apreciadores dizem que primeiro você deve experimentar o caldo, em seguida afundar as carnes e então começar a comer, antes que o macarrão perca sua característica al dente. E alto lá! Engana-se quem acha que porque parece sopa se come com colher. Como um bom prato oriental, os talheres utilizados são os hashi (os pauzinhos de madeira). Deve-se pegar um pouco do macarrão com o hashi, leva-los até a boca e sugar, com barulho mesmo. Os japoneses garantem que dessa forma, fazendo um alto e bom ruído, entrará ar na sua boca e esfriará o macarrão. E se o lámen estiver muito delicioso, não se acanhe em pegar o bowl nas mãos e tomar o caldo. Tudo super permitido!

 

Variedades

Segundo o tradicional restaurante Lamen Kazu, localizado no bairro da Liberdade, em São Paulo, existem três tipo de lámen:



Shoyu Lámen

É o lámen mais popular. Seu caldo, com sabor tradicional de shoyu, tem temperos bastante variáveis de região para região, podendo ser cozido combinado a uma composição delicada e leve à base de ossos de frango e vegetais, ou encorpado, à base de ossos suínos, suco de frutos do mar ou shoyu com saquê.



Misso Lámen

Surgiu em Sapporo, na ilha de Hokkaido, em meados da década de 1950. Dos três tipos de lamen, é o mais recente. Originalmente, o Misso (pasta de soja) era um dos ingredientes usados como acompanhamento, mas a partir de determinado momento começou a ser dissolvido no caldo. O atrativo é o caldo encorpado com acentuado sabor de Misso.


Shio Lámen

É temperado apenas com sal e, justamente por isso, acentua-se o sabor do caldo. Ao contrário do Shoyu e do Misso, neste preparo o sal não serve para acentuar o gosto final do caldo. Por possuir teor de sal reduzido comparado a outros preparos de lámen, é adequado às pessoas com problemas de hipertensão e àquelas que se preocupam com o teor de sal na comida.

 

 

Você sabia?

  • O lámen é tão reconhecido no Japão que existe um museu só homenagear e contar a história da iguaria. O Shin-Yokohama Lamen Museum fica em Yokohama, a meia hora de trem de Tóquio. Além, de conhecer um pouco da história e do preparo, o visitante pode saborear diversos tipos de prato em um dos 8 restaurantes especializados em lámen de regiões diferentes do Japão. Todos localizados no interior deste museu, que reproduz pitorescamente as ruas de uma vila antiga.

  • Ao lado da culinária francesa, a culinária japonesa tradicional é uma das duas únicas tradições gastronômicas nacionais reconhecidas pela ONU devido à sua importância cultural. Foi uma forma de homenagear e preservar esta gastronomia milenar e tradicional tão diferente da gastronomia ocidental.

  • Como sabemos, legumes e vegetais estão muito presentes na culinária japonesa, muito mais até do que na culinária ocidental. Porém, não é tão fácil encontrar uma refeição que seja completamente vegetariana, exceto em restaurantes especializados.

  • A maneira correta de pegar o hashi é sempre do meio para cima. Nunca se deve espetar algum alimento com ele, na vertical, pois isso se refere à morte e rituais religiosos. Chupar a ponta do hashi, apontar para as pessoas ou gesticular com o hashi na mão, não é educado.

 

Anota aí:

O famoso programa de TV Masterchef Brasil, exibido pela TV Bandeirantes, teve o lámen como um dos desafios de suas provas. Debora Werneck, uma das participantes, foi destaque na competição, com seu prato. Confira a receita que a carioca preparou:

 

Lámen com curry e carne de porco

Por Deborah Werneck

 

Massa de lámen

 

3 medidas de farinha de trigo

1 medida de farinha de semolina

1 medida de água kansui

1 gema

 

Modo de preparo

Em um bowl, misture bem os ingredientes para preparar a massa. Não sovar. Enrole em plástico filme e leve à geladeira por aproximadamente quinze minutos. Abra a massa na mão. Corte-a finamente. Ferva água e cozinhe a massa por um minuto apenas. Seque-a.

 

Caldo

½ cebola

1 medida de caldo pronto

2 dentes de alho

Vinagre de arroz

Katsuobushi

Naruto

Alho-poró

Shoyo

Saquê

Curry

Sal

 

Modo de preparo

Faça uma pasta com a cebola, alho, alho-poró, vinagre de arroz, shoyo, saquê e katsuobushi (flocos de bonito) e naruto. Bata todos esses ingredientes no liquidificador. Coloque em uma panela com azeite para dar uma esquentada e coe esta pasta no caldo. Coloque um pouco de shoyo. Deixe esquentar, sem ferver, para poder incorporar tudo. Bote curry a gosto. Experimente e acerte o sal.

 

Toppings

 

1 ovo

1 costelinha de porco

3 dentes de alho

Farinha de rosca

Katsuobushi

Naruto

Cebolinha

Azeite

Alga

 

Modo de preparo

 Cozinhe um ovo por aproximadamente cinco minutos, para deixar mollet. Corte três dentes de alho, em fatias, e frite no azeite. Fatie a cebolinha bem pequenininha. Pegue uma costelinha de porco, corte um pedaço pequeno, empane com farinha de rosca e frite. Utilize a alga, o katsuobushi (flocos de bonito) e o naruto como toppings.

 

 Montagem

Coloque o caldo, o lámen e disponha os toppings em cima.

 Tempo de preparo

1h

 

 
Chá com prazer Leia +



Se você pensa que ele serve somente para curar a gripe, combater a ressaca ou acalmar os ânimos, esqueça. Estamos aqui para garantir que o chá está longe de ser um remédio, e é uma bebida milenar repleta de benefícios para o corpo e para a alma.
Embebeda-se nesta matéria repleta de aromas e sabores. É hora do chá.

Em algumas regiões os chás são bebidos em xícaras (chávenas) sem pega (alças) pelas seguintes razões:

  • Se você consegue segurar com as mãos, é porque a temperatura do chá está apropriada para o consumo.

  • Se queimar as mãos e não conseguir segurar é porque pode fazer mal.

Se ligue só!
Os chineses e os japoneses bebem chá quente (de preferência, chá verde) durante as refeições; nunca ­­água gelada ou bebidas geladas. Líquidos gelados durante e após as refeições solidificam os componentes oleosos dos alimentos, retardando a digestão.


Chás ajudam no emagrecimento. Saiba por que.
Bebidas geladas reagem com os ácidos digestivos e serão absorvidos pelo intestino mais depressa do que os alimentos sólidos, demarcando o intestino e endurecendo as gorduras, que permanecerão por mais tempo no intestino. Daí o valor de um chá morno ou até água morna depois de uma refeição. Facilita a digestão e amolece as gorduras para serem expelidas mais rapidamente, o que também ajuda no emagrecimento.

O chá é uma bebida estimulante e, quando bebido puro, tem quase zero de caloria. Seus principais efeitos são:

  • Combater o envelhecimento das células;

  • Reduzir o risco de câncer (principalmente de esôfago e estômago), doenças do coração, gastrite e derrame cerebral;

  • Ajudar a fortalecer os ossos e a controlar a pressão arterial;

  • Tem efeito diurético e pode provocar insônia em pessoas sensíveis à cafeína.

Mas, cuidado: se consumido junto com as refeições, o chá pode diminuir a absorção de ferro.

A Lenda do Chá
Tudo começou quando um imperador chinês de nome Shen Nung ferveu folhas de uma planta desconhecida num pouco de água (2.737 a.C.). O resultado foi maravilhoso, e o uso da nova bebida se popularizou em toda a China. Existe uma lenda que afirma ser o monge budista Bodhidarma o descobridor do chá. Diz a lenda que o monge prometera orar a Buda durante um ano, sem parar, dia e noite. O sono, sem dúvida o venceu, e o monge adormeceu durante uma prece. Ao acordar sentiu-se indigno, revoltado, arrancou os cílios. Estes criaram raízes e transformaram-se num arbusto cujas folhas depois de secas e escaldadas produziram uma bebida que nunca mais o deixou dormir.

Chás de saquinho são ruins?
De acordo com a especialista em chás, Carla Saueressig, muitas vezes os sachês têm cloro e isso altera o sabor, além de ser perigoso para a saúde. E também tem uma questão econômica, que para o chá caber naquele saquinho pequeno – que é muito mais barato – ele é moído e misturado à aromas artificiais, portanto, deixa de ser um chá. É bem diferente de um chá granel, cujas ervas, flores ou especiarias são bonitas, cheirosas e gostosas.

Receitas:
Yuza-Cha - Chá de Limão e Gengibre (receita original da Coréia)
Ingredientes:
6 xícaras de água
1 gengibre
2 limões
Açúcar a gosto

Modo de Preparar:
Cortar os limões na vertical em fatias de 0,5 cm. Colocar em uma vasilha e salpicar o açúcar por cima. Tampar e deixar descansar por uma semana. Cortar o gengibre em fatias bem finas, colocar em uma panela, juntar 6 xícaras de água e levar para ferver. Na hora de servir, colocar em cada xícara uma fatia de limão, um pouco do suco do limão e cobrir com a água de gengibre. Servir bem quente.

Chá inglês
Ingredientes
3 colheres de chá preto em folhas ou saquinhos de chá
2 xícaras de água fria
Leite a gosto
Açúcar a gosto
Limão a gosto

Modo de preparo
Numa chaleira, coloque a água fria ou readapte a quantidade de água conforme a quantidade de xícaras de chá que queira fazer; aqueça a chaleira no fogo alto. Quando a água começar a ferver, despeje uma pequena quantidade em um bule para pré-aquecer, mexa e despeje o resto da água. Coloque as colheres de chá (uma para cada xícara que queira fazer e mais uma) e coe. Coloque a água nas xícaras e deixe repousar durante 5 minutos se você quiser um chá suave, ou 10 minutos se quiser um chá forte.
Retire o coador do bule e sirva com leite, açúcar e limão.

Chá de boldo (tipicamente brasileiro)
Ingredientes
Uma colher de sobremesa de folhas de boldo picadas
Uma xícara de água

 
“Afrodisíeque”

Alguns alimentos nos proporcionam muito mais prazer do que poderíamos imaginar.

Sorte a nossa!

A edição especial de Dia dos Namorados da Revista TUdo não poderia trazer outra opção gastronômica que não fosse alimentos que servem como combustível dentro de uma relação, os chamados afrodisíacos.

A palavra “afrodisíaco” do grego “aphrodisiakós” significa “relativo ou pertencente à afrodisia, que restaura as forças geradoras, ou excita os apetites carnais”. O nome é uma homenagem a deusa grega Afrodite, divindade relacionada ao amor que surgiu há cerca de 5 mil anos.

Na culinária afrodisíaca os alimentos utilizados são considerados estimulantes sexuais porque alteram o funcionamento do metabolismo, aumentando o desejo sexual, a produção de hormônios ligados à libido, a lubrificação e, ainda, aumentam a vasodilatação, que facilita a irrigação de algumas partes do corpo, incluindo as genitais – o que prolonga a ereção.

A equipe da Revista TUdo separou alguns deles e suas histórias. Existem várias formas de consumi-los, basta soltar a imaginação. Bom apetite, literalmente.

Aspargos

O próprio significado da palavra aspargo já diz muito sobre o seu potencial afrodisíaco. O nome origina-se de “asperge”, gíria francesa para o membro masculino. Ainda, no século XVII, inúmeros médicos, entre eles o botânico inglês Nicholas Culpeper, já sabiam que o vegetal possuía um efeito estimulante em homens e mulheres. No século XIX, inclusive, na noite de núpcias, os noivos comiam aspargos para dar um “up” no seu desempenho sexual. Dentre seus benefícios e fontes de saúde, podemos destacar o ácido fólico, responsável por manter o sistema reprodutor feminino saudável e no auxílio da produção de histamina, uma substância que estimula o orgasmo.

Mel

Na Grécia Antiga, o mel era conhecido como “o néctar de Afrodite”, de modo a ser relacionado com o sexo constantemente. O alimento contém vitaminas B e C que estimulam a produção de hormônios sexuais. Além disso, se usado de forma criativa, ainda tem outros tipos de utilidade.

Romã

A Romã é bastante conhecida por uma superstição que diz que a fruta traz fertilidade e fortuna. Quem nunca colocou algumas sementes na carteira numa entrada de um novo ano, que atire a primeira pedra. No entanto, ela também é conhecida por outro fato: ser afrodisíaca. Segundo estudo realizado pela Universidade Quem Margarte, na Escócia, que recrutou 58 voluntários com idades entre 21 e 54 anos, homens e mulheres, para beberem um copo de suco de romã por dia durante duas semanas, o nível de testosterona dos participantes aumentou em até 30%. Pois é! Investir em romã, neste caso, nunca é demais.


Lagosta
Os moluscos e crustáceos do mar são considerados, dentre os afrodisíacos, os mais poderosos.
A lagosta tem sido descrita como um estimulante erótico por muitos escritores, inclusive Henry Fielding, em Tom Jones. Além de afrodisíaca, é decorativa, saborosa e fácil de preparar. Já o chocolate traz à tona a sensação de bem estar, fazendo com que o apetite sexual, seja estimulado tanto em homens como em mulheres.
Para que se possa sentir seus efeitos, os alimentos com propriedades afrodisíacas devem ser consumidos em maior quantidade por quem quer estimular o apetite sexual, não existindo uma quantidade ideal.

Fatos curiosos

- Os gregos acreditavam que Afrodite havia nascido da espuma do mar, por isso a crença de que os alimentos que vêm do mar são afrodisíacos;

- O arroz é símbolo da fertilidade. Por isso, existe a tradição de atirá-lo em recém-casados;

- Existe uma filosofia que diz que a forma e a cor dos alimentos estão diretamente associadas à forma da parte do corpo em que exerce poder – Chama-se “A Doutrina das Semelhanças”. É por causa desse conceito que alimentos com formatos fálicos, como o aspargo, por exemplo, tornaram-se afrodisíaco.



Afrodisíaco e irresistível
Uma das formas de surpreender seu par é pela gastronomia.
No dia dos Namorados, saia do restaurante Tantra bem diferente de como você entrou.
Para isso, lambuze-se!



Sopa de lagosta com chocolate branco

500 ml de caldo de peixe (dashi)

25 gramas de chocolate branco

1 gema de ovo

150 gramas de st peter picado

600 gramas de lagosta picada

1 punhado de cebolinha

Sal e pimenta

Modo de preparo:

- Ferver o Dashi.

- Remover do fogo e acrescentar o chocolate branco aos poucos, sempre misturando

- Acrescentar o restante dos ingredientes em fogo baixo não deixando a mistura ferver

- Sal e pimenta a gosto

Salada de pera com pesto de jambu

Molho:

4 dentes de alho

1 pitada de sal

1 /4 xicara de jambu flores

1/2 xicara de manjericão

3 colheres de amêndoas

100 gramas de parmesão

1/4 xicara de azeite

1/4 de xarope de jambu

Pimenta do reino

 

Salada:

1/2 Pera

Folhas verdes

Hortelã

Flores de jambu

Misturar todos os ingredientes do molho no liquidificador.

Cortar a pera em tiras horizontais e deixar em um recipiente com suco de limão para não escurecer.

Misturar as folhas verdes, a hortelã e o molho com as tiras da pera.

Decorar com flores de jambu.

 

 

Sobre o Jambu
Mulherada, pasme! O jambu é utilizado para aumentar a excitação feminina, expandindo os movimentos peristálticos no interior da vulva; inclusive, alguns produtos à base dessa plantinha prometem ser um sucesso de venda nos próximos anos. Que tal?



 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 Próximo > Fim >>

Página 1 de 4

Indique !