VERSATILIDADE À MESA

Prática e muito saborosa, a carne moída é a estrela de diversas receitas e
unanimidade na cozinha

Embora não dê para negar que a combinação: arroz, feijão e carne moída seja realmente perfeita, esqueça-a por um momento. Conhecida por sua versatilidade, a carne moída dá a vida à diversas receitas – almondegas, hamburguês, quibes, molhos – deixando almoços e jantares ainda melhores. Mas afinal, qual tipo de carne comprar? Quantas vezes é necessário moê-la? Como deixá-la soltinha? Descubra no passo a passo elaborado pela a equipe da Revista Tudo e arrase no seu próximo prato:

Passo 1 – Escolhendo a carne

O recomendado é comprar carne moída na hora. Caso não seja possível, fique ligado(a) na embalagem. Quando embalada, não é incomum que a carne perca um pouco de cor, entretanto, se estiver muito escura – esverdeada ou amarelada – descarte o produto imediatamente. O odor também é de extrema importância. Se estiver com um cheiro muito forte, é lixo na certa. Atente-se a isso.

Passo 2 – Qual tipo de carne devo usar? Escolho com gordura ou sem?

Antes de tudo, tenha em mente qual receita irá preparar. Para quibes crus e tartare as mais indicadas são patinho e paleta, que contém pouca gordura. Os refogados do dia-a-dia também costumam ser feitos com patinho ou, então, coxão duro. Agora, se você quer testar uma receita que leve molho à bolonhesa, prefira a maminha.

Convidou os amigos para uma noite de hambúrgueres caseiros? Então peça a carne com gordura, pois ela é fundamental para este tipo de receita; é essa gordura que dá liga à massa. Geralmente os açougueiros fazem uma mistura com costela, acém e peito, que juntos são mais saborosos. Fraldinha é outra boa pedida.

É importante ressaltar que carnes muito gordurosas não rendem tanto quando moídas, assim como as magras demais ficam duras. Portanto, o segredo é achar um meio termo.

Passo 3 – Na hora de moer, preciso pedir ao açougueiro que moa a carne mais de uma vez?

Isso também varia de receita para receita. Para almôndegas e hambúrgueres, por exemplo, a carne deve ser moída três vezes, assim os nervos ficam praticamente imperceptíveis. Se for usá-la para rechear pastéis ou panquecas, duas vezes são suficientes. Agora para molhos, onde os pedaços são maiores, peça a ele para passá-la na máquina apenas uma vez.

Dicas

Na hora do preparo, evite colocar a carne moída congelada dentro da panela. Descongele antes. O descongelamento correto são 48 horas em geladeira. Descongelamento em micro-ondas também não é um processo legal, pois acaba cozinhando a carne. Quando estiver em temperatura ambiente, comece a cozinhar. Outra dica importante é não temperar até colocá-la na panela. É melhor que ela frite antes; dessa forma, dá para corrigir o sabor facilmente. Pimenta do reino, salsinha, coentro e cominho são os temperos mais usados, porém, sempre dá para inovar. Ainda sobre temperos, a carne ficará mais soltinha se for refogada apenas com azeite ou óleo.

Box
O filet mignon por exemplo não é recomendado, pois não tem gordura.

Box
A temperatura de cozimento é importante; fogo alto pode queimar e ressecar. Recomendamos fogo baixo, aproveitando ao máximo os sucos criados pela própria carne.



Carne moída com cerveja

Receita de Rita Lobo (apresentadora do Programa Cozinha Prática – GNT)

Ingredientes

  • 1 kg de carne moída (patinho)

  • 1 lata de cerveja preta (350 ml)

  • 1 pimentão vermelho

  • 1 cebola

  • 3 dentes de alho

  • ¼ de xícara (chá) de farinha de trigo

  • 2 colheres (sopa) de extrato de tomate

  • 1 xícara (chá) de água

  • 3 colheres (sopa) de azeite

  • 1 folha de louro

  • 6 talos de cebolinha

  • sal e pimenta-do-reino moída na hora a gosto

Modo de preparo

  1. Retire a carne moída da geladeira e deixe em temperatura ambiente enquanto prepara os outros ingredientes - ela não pode estar gelada na hora de ir para a panela. Leve pouco mais de 1 xícara (chá) de água para ferver (assim, o pouco que evaporar não vai interferir na medida da receita).

  2. Descasque e pique fino a cebola e o alho. Lave, seque e corte o pimentão ao meio; descarte as sementes e corte cada metade em cubos de cerca de 1 cm.

  3. Leve uma panela grande ao fogo médio. Quando aquecer, regue com 2 colheres (sopa) de azeite e acrescente a carne - espalhe bem no fundo da panela para dourar melhor. Polvilhe com a farinha de trigo e deixe dourar, mexendo de vez em quando com a espátula para soltar os pedaços de carne. Se sua panela for pequena, doure a carne em duas etapas.

  4. Transfira a carne dourada para uma tigela e mantenha a panela em fogo médio. Regue com o azeite restante, junte a cebola e o pimentão, tempere com uma pitada sal e refogue por cerca de 3 minutos. Acrescente o alho, o louro e mexa por mais 1 minuto para perfumar.

  5. Adicione o extrato de tomate e misture bem. Regue com a cerveja preta aos poucos, raspando o fundo da panela com a espátula para dissolver os queimadinhos - eles dão sabor extra ao molho. Junte a água fervente, tempere com sal e pimenta e deixe cozinhar até ferver.

  6. Volte a carne dourada para a panela e misture bem. Abaixe o fogo e deixe cozinhar por mais 10 minutos até o molho encorpar - o álcool da cerveja vai evaporar. Enquanto isso, lave, seque e fatie fino a parte verde da cebolinha.

  7. Desligue o fogo, misture a cebolinha fatiada e sirva a seguir. A carne fica uma delícia acompanhada de palitos de mandioca assada.

 

Indique !