Moda e tecnologia: o futuro chegou  E-mail


 

Já imaginou fazer a bainha da calça ou ajustar o vestido com apenas um clique? É o que promete a tendência que une tecnologia à moda, que já ganhou espaço no universo da alta-costura e, agora, busca conquistar território nas roupas do dia a dia.

Se o ajuste para conseguir o caimento perfeito promete ficar extremamente fácil, com a modelagem digital, o processo de confecção ainda requer o trabalho em equipe de muitos profissionais. Técnicas de scan do corpo e modelagem em 3D permitem que se crie um design próximo ao caimento perfeito e, através de alterações mínimas, é possível criar variações de adaptações do projeto. Mas quem faz a verificação final ainda são os estilistas.

Os avanços na digitalização dão sinais de serem parte de uma revolução muito maior e que deve tomar as ruas. Com as propriedades dos materiais cada vez mais exploradas para adquirirem maior flexibilidade e diferentes densidades, a produção de roupas mais práticas e acessíveis parece ser só uma questão de tempo.

Mesmo que a moda ainda continue se apegando à tradicional manufatura de tecidos, há crescentes sinais de que a coisa vai mudar.  Vamos dar uma olhada em seis inovações tecnológicas que possuem o potencial de mudar a indústria da moda de forma como nunca vimos antes.

Roupas em 3D - Você já ouviu falar da impressão 3D, utilizada por várias empresas nos últimos anos pela sua versatilidade e potencial para mudar toda a forma de fabricação dos produtos.

A Nike está usando essa tecnologia para obter o desempenho perfeito do Nike Vapor HyperAgility Cleat, tênis criado para jogadores de futebol americano.

O estilista Massimo Nicosia, da grife Pringle of Scotland, utilizou em uma de suas coleções para criar uma série de telas impressas em 3D com sinterização seletiva a laser.  Uma impressora 3D foi escolhida para criar as minúsculas peças de nylon necessárias para manter o material flexível integrado à roupa.

Já a startup de tecnologia vestível Electroloom vem aperfeiçoando uma forma de impressão de roupas que produz fibras comparáveis as de algodão, permitindo uma aparência quase idêntica à do vestuário convencional. Além de especificar as dimensões exatas dos produtos pelos clientes, reduz a dependência do algodão comum que utiliza muito pesticida, prejudicial ao meio ambiente.

Agora imagine um catálogo com dezenas de modelos de roupas com uma gama de cores e estampas, todas personalizadas online e escolhidas com o clique. Esse é o futuro da impressão 3D na indústria da moda.

Roupas interativas por NFC (Near Field Communication) - é uma tecnologia que permite a troca de informações sem fio e de forma segura entre dispositivos compatíveis que estejam próximos um do outro. Podem ser celulares, tablets, crachás, cartões de bilhetes eletrônicos e qualquer outro que tenha um chip NFC. Imagine andar em uma loja, passar o seu smartphone sobre a tag e logo em seguida ver um lookbook com ideias de como usar a roupa. O chip também poderá fornecer mais informações sobre os materiais usados na confecção da peça, instruções de cuidados de longa duração ou os detalhes de qualquer promoção na loja que possa lhe interessar. Sem falar na possibilidade de pagar os produtos pelo celular e passar no caixa apenas para pegá-los.

Modelos e desfiles virtuais - Com os avanços da realidade virtual, computação gráfica e inteligência artificial, já é possível fazer desfiles de moda com modelos virtuais idênticas às de verdade.

Muitas marcas vem desenhando roupas usando software de renderização 3D, uma vez que permite ajustar e aperfeiçoar o corte e os ajustes com um custo mínimo. Com as roupas digitais, é possível vestir as modelos digitais com qualquer roupa que os programadores desejarem, resultando em um trabalho totalmente gerado por computador com todo o movimento e a aparência de uma pessoa real. O estilista poderá montar o casting virtual de modelos e depois fazer o desfile digital. E as clientes poderão assistir ao desfile “ao vivo” de qualquer lugar do mundo através de seus óculos de realidade virtual, como já fizeram a Dior e Top Shop.

Se você acha que isso não irá se popularizar porque desfiles são parte da cultura da moda, lembre-se que Kate Moss já apareceu como um holograma no desfile de Alexander McQueen. A ideia de que as modelos possam licenciar sua imagem para ser representadas digitalmente não é mais obra de ficção.

Tecidos que mudam de cor -  um grupo de pesquisadores está aperfeiçoando os meios para reescrever o espectro completo dos tecidos. Na Universidade de Michigan, cientistas desenvolveram uma membrana de cristais minúsculos que reagem de forma diferente quando expostos a vários comprimentos de onda da luz. Quando a luz brilha sobre uma fina folha de óxido de índio e estanho, uma carga é criada e faz com que os cristais mudem sua formação, afetando a cor do tecido e sua aparência exterior.

Na Universidade de Concordia, em Montreal, há uma outra abordagem como parte de um projeto apelidado de Karma Chameleon. Os cientistas investigam uma maneira de aproveitar a eletricidade a partir do movimento do corpo humano e usá-lo para alimentar um novo tipo de tecido. O material usaria fios superfinos tecidos em sua composição para mudar sua cor ou iluminar de acordo com as ações de quem o estiver usando.

Impressão 4D - É um passo além da 3D, pois poderá criar objetos que se montam sozinhos e simplificar imensamente a forma como é projetado e fabricado tudo no mundo. Será possível imprimir tecidos com vários tipos de nano-circuitos integrados para fazer suas roupas trocarem de cor, textura e de estampa instantaneamente. Imagine quantas milhares de combinações não poderiam ser feitas?

Tecidos de auto-cura - Cientistas do MIT estão fazendo experiências com as propriedades de auto-replicação de bactérias para produzir um tipo de tecido que pode se reorganizar e curar a si mesmo como um ser vivo. As bactérias foram modificadas de modo a não apresentarem qualquer risco para a saúde humana.

Sim, o futuro chegou e logo você irá interagir com as suas roupas de forma prática, rápida e inteligente. Possivelmente elas não mais sujarão ou se rasgarão facilmente. Irão mudar de cor e estilo como num piscar de olhos. Mas a escolha ainda será sua. O bom gosto e a elegância sempre dependerão de você.

 

 

Celso Finkler

É publicitário pós-graduado em psicobiofísica

Celso finkler@hotmail.com

propague.com.br

 

 

 

 

 

Indique !