Em defesa dos animais


Essa história começou com uma elefanta de circo, a Madú. Após uma denúncia de maus tratos com esta elefanta, e em defesa dos animais do circo, Ila foi à justiça uma, duas...cinco vezes. Cada vez que ganhava a causa, o circo fugia e mudava de cidade. Ela começava tudo de novo! Em São Sebastião, Ila começou um trabalho de conscientizar as escolas sobre os procedimentos do circo para que as crianças não fossem assistir. Após cinco anos de luta na justiça, a AILA (Aliança Internacional do Animal) conseguiu a retirada de todos os animais do Circo Di Napoli. AILA é o nome da ONG criada para Ila dar seguimento à briga judicial com o circo. Uma vez criada a ONG, Ila saiu pelo Brasil numa iniciativa pioneira de trazer a Unidade Móvel de Esterilização e Educação “UMEE”. O primeiro ponto foi em Santa Maria (RS), com 1.153 animais esterilizados na favela “Sem Teto”. A unidade móvel passou por muitos lugares, conscientizando também a população. Para este trabalho, Ila convidou um palestrante internacional, o Dr. Joseph Lloiyed Tait, que falou de sua experiência mundial para resolver a questão da superpopulação de animais domésticos nas ruas. As soluções apontadas por ele foram: “esterilização, identificação, legislação e educação”. Esse é o trabalho desenvolvido pela AILA, que continuou fazendo suas campanhas até chegar à segunda maior favela do Brasil, “Paraisópolis”, em São Paulo. Hoje, por conta da demanda, existe lá uma Clínica Veterinária com equipamentos sofisticados e profissionais altamente capacitados.

Hoje a AILA tem uma sede na nossa região com muito espaço, suficiente para abrigar mais de 1000 cães e quase 200 gatos. Eles ficam em um sítio, uma espécie de hotel fazenda, mas para cachorros. Lá eles têm espaço para correr, se exercitar e não se estressarem. Alguns deles ficam soltos, outros presos em espaços grandes para não brigarem. Neste local não existe gaiola nem baia, mas locais para que os animais se sintam muito a vontade. Nesta mesma chácara há também um gatil com vários gatinhos resgatados e tratados para adoção.

O trabalho de Ila e seus ajudantes vai muito além do resgate de animais. Ela trata, alimenta e os deixa prontos para doação, faz castração e conscientização nas comunidades, promove feiras de adoção com um contrato rígido que garanta que os animais terão um futuro tranquilo. Outra bandeira da Ila é fazer campanha contra rodeios, vaquejadas, circos e tudo o que maltrate os animais.

“O nosso trabalho fica muito difícil enquanto educamos e o governo deseduca e desrespeita as leis. Todas essas práticas com animais são intrinsicamente cruéis. É crime, com pena de até um ano de prisão para quem pratica, colabora ou – no caso das autoridades- omite-se de impedi-la.”, Ila Franco.

 

Fonte: Ila Franco

aila.org.br, contato@aila.org.br

 

 

 

 

Indique !